Brasil inaugura primeira antena de 5G em área rural

O Brasil inaugurou em uma propriedade de Rondonópolis (MT) a primeira antena de conexão 5G em área rural no país. O local é a fazenda modelo do Instituto Matogrossense de Algodão (IMAmt), distante 210 km de Cuiabá. Uma comitiva composta pelos ministros das Comunicações, Fábio Faria e da Agricultura, Tereza Cristina, acompanharam uma demonstração do que a tecnologia pode trazer ao campo.

Ao sobrevoar a plantação de algodão, um drone transmite em tempo real e com alta definição (4K) a situação da lavoura. No escritório, a equipe técnica usa óculos de realidade virtual e consegue reproduzir as imagens a partir de hologramas, recriando, assim, a situação do campo. É a partir da conexão em 5G que drones, chips, GPS e equipamentos como tratores poderão entrar em ação e enviar informações sobre comportamento e saúde do animal e manutenção de condições climáticas da lavoura, por exemplo.

A expectativa com a digitalização do agronegócio é reforçar o papel do Brasil como protagonista no cenário mundial de produção de alimentos e levar cidadania, conhecimento e oportunidades aos produtores rurais das áreas mais remotas.

O sinal da tecnologia “5G pura” foi acionado pelo presidente Jair Bolsonaro na abertura da Semana das Comunicações, dia 5 de maio. A primeira antena do modelo está localizada no Palácio do Planalto, em Brasília.

Segundo o ministro das Comunicações, até o fim deste ano serão 20 pilotos de 5G em todo o país, sendo que a expectativa é que todas as capitais brasileiras tenham internet 5G até julho do ano que vem e que todos os brasileiros tenham acesso a internet até 2028. A tecnologia, que promete conexão com velocidade ultrarrápida, avanços de tecnologias como carros que dirigem sozinhos e a possibilidade de ligar muitos objetos à internet ao mesmo tempo deve funcionar nas 26 capitais do Brasil e no Distrito Federal em julho de 2022, conforme edital aprovado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Para todas as cidades do Brasil com mais de 30 mil habitantes, o prazo é julho de 2029.

“O 4G revolucionou a vida das pessoas e o 5G vai revolucionar as indústrias. Para o agronegócio, que é quem está fazendo o nosso Brasil crescer, mesmo nessa crise, junto às telecomunicações, será um avanço gigantesco. O 5G vai fazer que o nosso agro vai crescer 20% a mais, em média, e esse leilão está muito próximo de acontecer”, disse Faria.

Para a implementação do 5G no Brasil, será realizado leilão das frequências de operação da nova geração de internet móvel. “Esse leilão [das frequências de operação da nova geração de internet móvel] vai bombar para que essa tecnologia seja democratizada, chegue a todos. Com certeza, isso vai trazer melhoria no social, ambiental e na produtividade do agro brasileiro. Isto é o início de uma estrada do que virá para o futuro do agro brasileiro”, destacou Tereza Cristina.

Instalada pela fabricante Nokia, a antena permite o sinal de internet em alta velocidade a partir de uma transmissão gerada pela própria estrutura. É o chamado 5G “pura” ou standalone.

Entre outras aplicações a tecnologia permite o monitoramento remoto, a partir de sensores, permite a medição da temperatura e avaliação das condições hídricas imediatas na plantação e a conectividade entre máquinas agrícolas que podem trocar informações entre si. “A informação tem que ser rápida, certa e confiável. Com a tomada de decisão mais rápida possível, podemos chegar ao problema e a solução muito antes que cause prejuízo no desenvolvimento das lavouras”, explica o presidente da IMAmt, Paulo Sérgio Aguiar.

Fonte: Agrolink

Data: 12/05/2021