Milho e soja vão seguir no limite em 2020/2021

Os estoques dos principais grãos mundiais vão seguir apertados na temporada de 2020/2021, anunciou nesta quarta-feira o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). De acordo com a avaliação de analistas de mercado ouvidos pelo Agrolink, os dados divulgados no relatório confirmaram as especulações e vão seguir dando sustentação aos preços.

“Se por um lado cairia o processamento total de oleaginosas nos Estados Unidos, como um resultado da queda nas exportações, a menor oferta total de soja faria com que os estoques no final da safra ficassem próximos aos mínimos históricos, o que sustenta os preços”, posicionou-se a Bolsa de Comércio de Rosário (BCR), na Argentina.

O USDA informou ainda que o milho norte-americano teria aumento de oferta na próxima safra, enquanto o uso total seria ligeiramente reduzido, de forma que os estoques finais registrariam um ligeiro aumento. “Os números da agência confirmam que a situação permaneceria difícil durante a próxima temporada, o que teria limitado as quedas [nos preços],” disse a BCR.

A agência de notícias mundial Reuters acrescenta que a forte demanda doméstica manterá os estoques de milho e soja dos EUA perto das mínimas de sete anos já nesta nova safra 2021/22 que está sendo plantada atualmente. “É possível afirmar que o mercado está subvalorizado nos últimos meses”, disse Joe Vaclavik, presidente da Standard Grain.

Ele destaca o aumento da demanda do setor de ração, o que levará os estoques de trigo a uma mínima de sete anos em junho de 2022. Os produtores de proteína animal lutam para encontrar fontes mais barata para a alimentação dos animais, reduzindo exportações de milho, soja e trigo em relação à safra anterior.

Fonte: Agrolink

Data: 13/05/2021