Milho terá menor produtividade em 4 anos

O Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Aplicada) reduziu ainda mais a produtividade da segunda safra de milho no estado do Mato Grosso. A nova estimativa da entidade é de um rendimento de 93,80 sacas/ha – a menor em, pelo menos, quatro anos, aponta a Consultoria AgResource.

De acordo com os analistas de mercado, o recuo é de 7,51% em relação ao último relatório e 13,96% ante ao registrado na última temporada: “Como a entidade manteve a área de milho no estado em 5,69 milhões de hectares, avanço de 4,94% em relação à safra passada, a produção do cereal passa a ser estimada em 32 milhões de toneladas, ante 34,6 milhões de toneladas no início do mês”.

O Imea divulgou que a baixa produtividade ocorreu porque “o volume de chuvas em maio ficou abaixo da média dos últimos anos, o que comprometeu o desenvolvimento do cereal em algumas regiões do estado. Esse menor rendimento refletiu na queda da produção do cereal, ficando em 32,00 milhões de toneladas”.

“Vale citar, que esse panorama se deu, principalmente, em razão dos atrasos na semeadura do milho nessa safra, uma vez que 45,34% das áreas foram semeadas fora da janela ideal, reflexo dos atrasos na colheita da soja. Por fim, com o avanço da colheita nos próximos meses, será possível mensurar os reais impactos do déficit hídrico na produtividade do cereal em cada região do estado”, acrescenta o Instituto.

PREÇO

Seguindo o mercado internacional, aponta o Instituto Mato-grossense de Economia Aplicada, o indicador Imea-MT apresentou queda de 0,85% em relação à semana passada. Assim, o preço médio do milho disponível fechou a semana cotado a R$ 75,09/sc.

“A melhora nas condições de cultivo do milho norte-americano pressionou os preços do grão para baixo na CME-Group corrente. Assim, as cotações recuaram 2,11%, ficando a US$ 6,45/bu na média semanal”, conclui o Imea.

Fonte: Agrolink

Data: 01/06/2021