Preço do milho só tem como subir: ENTENDA

Na visão da equipe de analistas de mercado da Consultoria TF Agroeconômica, o mercado do milho internacional segue em tendência de forte valorização das cotações. De acordo com os especialistas, dão suporte aos preços do cereal fatores como demanda aquecida – principalmente da China –, escassez de oferta e valorização do Dólar norte-americano frente ao Real. Confira:

FATORES DE ALTA

*Forte de demanda chinesa que ainda vai durar muito. O escritório do USDA em Pequim já estimando as importações da China em 22 milhões de toneladas contra um número atual de Wasde de 17,5 milhões de toneladas, aumento de 4,5 milhões de toneladas ou 25,72%, o que é muito. Aliado a um Dólar acima de cinco reais, isto poderá enxugar ainda mais os parcos estoques brasileiros;

*Grande escassez de milho no Mundo. O aumento das importações da China pegou o mundo de calça curta.

*Grande escassez de milho no Brasil – embora a safra de verão esteja sendo colhida e os compradores estejam razoavelmente abastecidos, deverá haver falta do produto no período entre abril e meados de julho, quando os preços deverão ter outra onda de aumento, podendo atingir R$ 95,00/saca;

*Dólar acima de R$ 5,00 - O Instituto Internacional de Finanças (IIF) calcula que o preço justo da moeda brasileira é de R$ 4,50, levando em conta os fundamentos. O Bank of America calcula em R$ 4,80 e afirma estar otimista para as reformas. Então, preços de dólar acima de R$ 5,00 inflaciona preços e são aproveitados pelos exportadores.

FATORES DE BAIXA

*Início da colheita da safra de verão, nos estados do Sul, aliviando a pressão compradora. Por isso os preços estão andando de lado neste momento.

Fonte: Agrolink

Data: 08/02/2021