Produção de milho pode cair 24% com o clima

As mudanças climáticas podem afetar a produção de milho e trigo até 2030 se as tendências atuais continuarem, de acordo com um novo estudo internacional que incluiu pesquisadores do IIASA, NASA e do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK). A produtividade da safra de milho deve cair 24%, enquanto o trigo pode crescer cerca de 17%.

Usando modelos avançados de clima e agricultura, os cientistas descobriram que a mudança na produção se deve a aumentos projetados na temperatura, mudanças nos padrões de chuva e concentrações elevadas de dióxido de carbono na superfície das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem. Essas mudanças dificultariam o cultivo de milho nos trópicos, mas poderiam expandir a área de cultivo do trigo.

“Não esperávamos ver uma mudança tão fundamental, em comparação com as projeções de produção de safras da geração anterior de modelos de clima e safras conduzidas em 2014”, disse o autor principal Jonas Jägermeyr, modelador de safras e cientista climático do Goddard Institute for Space da NASA Studies (GISS) e The Earth Institute na Columbia University na cidade de Nova York. A resposta projetada para o milho foi surpreendentemente grande e negativa, disse ele. “Uma redução de 20% dos níveis de produção atuais pode ter implicações graves em todo o mundo.”

Os modelos de cultura fornecem simulações em grande escala de como as plantações crescem e respondem às condições ambientais, como temperatura, precipitação e dióxido de carbono atmosférico, fornecidas pelos modelos climáticos. O comportamento de cada espécie de cultivo é baseado em suas respostas biológicas na vida real estudadas em experimentos de laboratório internos e externos. No final, a equipe criou cerca de 240 simulações de modelos de culturas climáticas globais para cada cultura. O uso de vários modelos de clima e cultura em várias combinações aumentou a confiança da equipe em seus resultados.

“Além das perdas de produção mais pronunciadas projetadas para o milho pelo novo conjunto do modelo, o surgimento de impactos adversos das mudanças climáticas - o momento em que anos extremos históricos se tornam a nova norma - também ocorre substancialmente mais cedo para esta safra e o acordo do modelo é mais robusto. Isso sugere que menos tempo pode ser deixado para adaptar os sistemas de produção de culturas relacionadas às mudanças climáticas do que o indicado por estudos de conjuntos anteriores ”, disse o co-autor e pesquisador do IIASA, Christian Folberth.

Fonte: Agrolink

Data: 01/11/2021