Ritmo de exportação de commodities deve se manter

O Brasil deve manter o seu ritmo de exportação atual de commodities, de acordo com Thomas Raad, trader de commodities e especialista na exportação de café e outros alimentos e especiarias. “O Brasil é a fazenda do mundo e tem demonstrado sua força com a venda de commodities para a China, sendo a soja o principal deles, até porque o nosso País é o maior produtor desse insumo”, comenta ele.

“Somente em 2020, apesar da pandemia, o Brasil exportou novamente mais de 100 bilhões de dólares no setor do agronegócio e com relação a esse comportamento. Teve um estudo pelo USDA (Departamento de agricultura dos Estados Unidos) que o Brasil vai aumentar em até 40% a produção do setor até o ano de 2027. O que significa que haverá ainda mais exportação nessa área”, completa.

Nesse cenário, a China segue como uma das maiores parceiras comerciais do Brasil, especialmente nessa área e muito além da soja, o consumo de café no país, por exemplo, também teve um aumento nos últimos anos e a tendência é crescer ainda mais. “Neste ano, com a força de commodities como a soja, café e carne, é possível que o Brasil ultrapasse a marca dos 100 bilhões de dólares com exportações novamente. Nesse setor, os maiores exportadores são os Estados Unidos, os Países Baixos e o Brasil. Os números da exportação de café do Brasil são ótimos pois, além da volatilidade dos valores, os compradores costumam adquirir em grandes quantidades”, indica.

“Diversos fatores podem impactar o valor da tonelada ou da saca de café. Um bom exemplo é que no final de 2020 vendíamos a tonelada de determinado tipo de café por aproximadamente US$ 2 mil por tonelada e atualmente esse mesmo tipo vale US$ 2,4 mil por tonelada. A safra é iniciada no começo do segundo semestre e em algumas áreas, como o Sul de Minas Gerais, os agricultores já começaram a colheita. Até o final de 2021 ainda há muito a ser comercializado e mesmo em um ano baixo, quando produtores tiveram uma grande quebra em comparação a outros períodos, os números serão positivos por dois motivos: a alta do dólar e o café que sobrou do último ano”, conclui.

Fonte: Agrolink

Data: 19/07/2021