Semeadura da soja começa com atrasos

Alguns estados já plantam a safra de soja 2021/22, conforme calendário de vazio sanitário de cada região. Já surgem alguns problemas com clima que atrasam os trabalhos. No Mato Grosso, maior estado produtor da oleaginosa, os menores volumes de chuvas em relação à semana retrasada, fizeram a semeadura avançar 0,92 p.p, na média, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). Assim os trabalhos seguiram com certa lentidão na última semana, atingindo assim 1,20% da área aguardada até a última sexta-feira (24). Com relação às regiões, a Oeste merece destaque como a mais adiantada, com um avanço 2,20 p.p. no comparativo semanal, sob influência da expectativa dos produtores da região com o cultivo do algodão na segunda safra.

Mesmo com o menor avanço com relação às demais safras, grande parte dos produtores darão início aos trabalhos no final de setembro e início de outubro, visto que o período apresenta previsões de chuva e de umidade no solo mais favoráveis. “Assim, à medida que as previsões de chuvas se confirmam, os trabalhos devem atingir maiores volumes em MT” espera o Imea.

No Paraná, segundo produtor de soja do Brasil, segundo o Deral, a semeadura atinge 7% da área, sendo 77% em germinação e 23% em desenvolvimento vegetativo, evoluindo em boas condições.

Quem já planta também é o Mato Grosso do Sul. De acordo com o o pesquisador responsável pelo setor de Fitotecnia Soja da Fundação MS, André Bezerra, ressalta que há uma série de fatores que devem ser considerados antes e durante o plantio, para alcançar sucesso na implantação e desenvolvimento da lavoura.

Segundo ele, nesse primeiro momento, o produtor deve se assegurar, principalmente, que as sementes adquiridas correspondem a cultivar adaptada à janela de semeadura e ambiente de produção em questão, observar se tem insumos de qualidade e máquinas revisadas e reguladas para a aplicação da quantidade correta. O próximo passo é garantir uma boa dessecação para semeadura no limpo. Durante a semeadura é importante verificar a correta distribuição das sementes e observar a emergência, ocorrência de pragas e doenças nos estágios iniciais. “Sempre deverá observar os fatores do ambiente de produção, época e cultivar que ele está trabalhando. Se adquirir sementes de uma cultivar adaptada ao planto no final de outubro, por exemplo, e plantar no início, esta pode não expressar o máximo potencial”, diz.

Em Goiás o plantio está autorizado desde o último sábado (25) e as previsões climáticas são boas. Diferente do ano passado em que a permissão do plantio não veio acompanhada por umidade de solo satisfatória, neste ano as chuvas estão mais regulares. Em Rio Verde por exemplo, um dos grandes produtores estaduais são esperados 147 mm de 25 de outubro até a última semana de novembro e mais 180mm entre 23 de novembro até 23 de dezembro, o que deve contribuir significativamente para o enchimento de grãos na região.

Fonte: Agrolink

Data: 28/09/2021